Fernanda Pietragalla
Expressamos na escrita, o que possuímos na alma.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

MINHA REVOLTA
Muitas vezes sentimos revolta. Não aquela por qualquer coisa, mas pelas pessoas.
Definitivamente, cheguei a conclusão que ser sensível, romãntica ou até, amar de mais, fez de mim uma pessoa que não é ouvida, e não consegui, até hoje, encontrar a amizade leal e sincera.
Por vezes, as pessoas que me são caras, não percebem a minha existência, pois de certa forma, "sentir demais", "amar de mais" torna uma pessoa sem atrativos para ser conquistada ou descoberta. A conquista a que me refiro é aquela da amizade, que tanto me fez falta em momentos importantes de minha vida, e me vi só.
Por mais que eu grite ou sussurre, minhas palavras perdem-se no vento e minhas ações tornam-se insignificantes.
Tentar, em algumas situações dizer sobre um futuro previsível já causou-me muitos problemas.
Nesse momento, estou farta com o mundo, com as pessoas, com as injustiças e com a ignorância, sendo as duas últimas, as que mais violentam meu ser.
Estou diante do computador, e revelando ao mundo (que pretenção) o que vai pelo meu pensamento e meu sentimento, os mesmos que na maior parte de minha vida, são desprezados.
Minha revolta é extravasada, no mesmo instante em que mais uma vez, sinto-me invisível. E percebo que o que faz feliz alguém é ter ouvidos para nos escutar, braços acolhedores e palavras que nos confortem. Saibam, a falta deles, dói muito.
Fernanda Pietragalla
Enviado por Fernanda Pietragalla em 25/10/2006
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernanda Pietra www.fernandapietra.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários