Fernanda Pietragalla
Expressamos na escrita, o que possuímos na alma.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Meu Diário
23/08/2011 11h16
FALANDO DE SAUDADE

 

 

Da última vez que postei algo aqui neste espaço, minha tia estava viva, eu trabalhava em duas escolas. Hoje ela é falecida, saí de um emprego e ver que ela não está mais na convivência material, por vezes é doloroso. Estou tentando aprender a conviver com a ausência física dela, pois sei que em algum lugar ela está e me vê. Eu a sinto.

Quando saí da escola em que trabalhava, parecia que o mundo estava desabando em minha cabeça. Foi muito doloroso, mas eu não imaginava que no ano de 2010 eu sentiria uma dor maior que foi a partida da Zizi. Assim eu chamava minha tia. A escola por si, a partida, deixou de ser importante para cair no vazio. Então me pergunto sobre a relatividade da dor, do quanto é passageira, quando não atinge alguém que tanto amamos.

Deixei amigos lá, e de lá eles também partiram. Quase todos se exoneraram como eu, e foram buscar melhores condições de sobrevivência. No meu caso, não suportava mais as ridículas exigências que nivelavam e ainda nivelam o aluno num patamar medíocre.

Aqui quero registrar que é estranho ver as pessoas que conviveram dia a dia em fotos nas redes sociais. Estamos todos juntos, porém somos uma imagem virtual, numa comunicação virtual; sendo que nos aniversários nos cumprimentamos e momentaneamente temos a impressão de sermos uma equipe,  um grupo unido. Mas logo em seguida, vejo que estou apenas numa rede social.

O ponto principal deste texto é a saudade. Saudade de quem partiu,  e levou consigo uma parte da minha vida pois vivi até então a vida toda com a Zi. Saudade de um lugar que optei por deixar, pois minha saúde ia se acabar. Mesmo sentimento, com sentir diferente.  Começar uma vida sem ela é estranho. Continuar a trabalhar na Educação em outro espaço é gratificante. E ontem quando estava  testando alguns aplicativos no IPod, acabei por escrever uma frase, baseada  na fala de Vinícius de Mores , onde tento demostrar o que se passa em meu íntimo nesse momento: A SAUDADE MARCA MEUS DIAS, QUANDO PERCEBO QUE ELA SERÁ INFINITA ENQUANTO EU DURE.


Publicado por Fernanda Pietragalla em 23/08/2011 às 11h16
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernanda Pietra www.fernandapietra.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.